sábado, 6 de agosto de 2011

Solitude

                                                                   Imagem: Arquivo pessoal
"Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só…"


Florbela Espanca

3 comentários:

Will disse...

Boa tarde, mel:
Basta um lua no céu de alguém para que a vida desse alguém fique iluminada. E quando não houver esse alguém, bem... Aí, a lua ilumina a si mesma.
Ótimo sábado para você!

Rô... disse...

oi Peonia,

adoro Florbela,
mas acho-a triste
na maioria de seus poemas,
lindos,
mas tristes...
acho que esse não combina com você!
é muito triste,

beijinhos

Julio Seidenthal disse...

Quem gostava muito de Florbela Espanca, era o já falecido, deputado e costureiro,Clodovil, mas quanto ao poema, todos nós somos um pouco sós, não tem jeito.